17   Maio
2015
Crônicas
Coluna da Célia Villela- Crônica

O DESABROCHAR DAS PRIMAVERAS - Por Célia Villela
 
  De uns tempos pra cá tomo café refletindo a vida todas as manhãs. O Chiquinho, nosso cachorrinho, fica ao meu lado me contemplando, com aquele ar de amor fiel, porém nem tão incondicional. Quando ele ganha um pedacinho de carne, fica muito mais dengoso e amoroso.
  A vida sempre nos impõe algum tipo de condição. Acredito que tudo, e todas as relações, sejam bilaterais. Não existe o dar sem receber. Principalmente no amor e na amizade.
  A vida nos impõe sempre uma condição, seja no trabalho, na doença, no próprio caminhar, onde as pedras surgem no meio do caminho, e as flores também. Aí você pode escolher sentir o perfume das flores ou tropeçar nas pedras. Seria o livre arbítrio? Nem sempre. Por vezes você prefere sentir o aroma, mas tropeça nas pedras.
 Por que estou escrevendo isso? Hoje tomei o café, sempre 7 horas da manhã, pensando um pouco mais na vida. Fico mais velha neste 17 de maio, mês mais lindo do ano, não porque é o mês do meu aniversário. Tive a sorte de nascer em maio quando o sol raia lindamente todas as manhãs, a brisa é suave, as orquídeas florescem, além de ser o mês das mães.
 Parece que com o passar do tempo nos tornamos mais sábios. Aprendemos a lidar melhor com as situações, porque a vida é um desafio todos os dias.
Tenho pensado muito ultimamente que a vida aqui é somente uma passagem. Estamos todos vivendo para morrer. Enfim este é o grande mistério.
  Mas quando o sol surge com seus raios dourados desabrochamos todas as manhãs. Como afirma o magnífico poeta libanês Khalil Gibran, “As flores desabrocham para continuar a viver, pois reter é perecer”.
Fazer aniversário é desabrochar, mesmo com as pedras no meio do caminho, os campos florescem.

PS: Ao deletar uma foto, sem querer deletei todos os posts de abril e maio. Estão vendo só como existem "pedrinhas" chatas no meio do caminho?
Compartilhe
1 Comentário (s)

Envie o seu comentário sobre a matéria, será um prazer saber o que você achou.

Nome: *
E-mail: *
Mensagem: *
Digite o Código:
   
 
17   Mai
2015
Por: Arthur
Oi Celinha, a  ciência está provando que não existe livre arbítrio total, há coisas que são decididas pela carga genética. Experimentos com cérebros monitorados mostram que o monitor sabe a resposta antes do dono do cérebro... Quanto às pedras do meio do caminho, os sábios insistem que devemos construir um castelo com elas...rs  Boa trilha na nova idade. Arthur

© 2013 Blog da Célia Villela - Todos os Direitos Reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia da jornalista Célia Villela.